domingo, 28 de agosto de 2016

Preparo para o jogo contra a Hungria #waterpolo #cbda #poloaquatico #Brasil

from Facebook
via IFTTT

quinta-feira, 24 de maio de 2012

I MINI-CURSO DA LIGA ACADÊMICA DE MEDICINA DO EXERCÍCIO E DO ESPORTE

Estão abertas as inscrições para o I Mini-Curso da Liga Acadêmica de Medicina do Exercício e do Esporte. As inscrições serão realizadas na ESCS- Asa Norte. O valor das inscrições até o dia 08/06 é de R$ 25,00 para estudantes e R$ 30,00 para profissionais de saúde.
Após esse período o valor é de R$ 30,00 para estudantes e R$ 35,00 para profissionais de saúde.
O curso terá carga horária de 12 horas com certificado emitido pela FEPECS/ESCS e acontecerá nos dias 18,19 e 20 de junho de 2012.



Fifa mostra que 84 atletas morreram em campo nos últimos cinco anos


A média de idade dos jogadores afetados é de 24,9 anos. Mortes atingiram 
19 federações nacionais que mantém registros médicos sobre ocorrência.
Morosini do Livorno (Foto: AFP)Morosini foi último caso de um jogador a morrer em
campo (Foto: AFP)

Especialistas divulgaram nesta quinta-feira no Congresso Médico da Fifa, que nos últimos cinco anos 84 jogadores morreram devido a problemas cardíacos enquanto disputavam partidas ou treinavam. Os dados fazem parte de relatório da Comissão Médica da entidade, coletados com informações recebidas de 129 das 208 federações associadas ao órgão máximo do futebol mundial. O texto é considerado ponto de partida para criar um panorama detalhado que possa prevenir futuras mortes.
A média de idade dos jogadores afetados é de 24,9 anos. As mortes atingiram 19 federações nacionais que mantém registros médicos sobre esse tipo de ocorrência.
- A partir de agora cada membro associado terá que registrar este tipo de incidentes e nos informar para que possamos analisar quais são as patologias por trás das mortes - ressaltou o professor Jiri Dvorak, Chefe Médico da Fifa.
Um dos grandes problemas já detectados que tem relação às mortes súbitas é que apenas 55% dos jogos de futebol de alto escalão contam com um desfibrilador, número que cai para 28% nos treinamentos.
- Ter um desfibrilador em cada campo é questão de vida ou morte - ressaltou o presidente da Comissão Médica da Fifa, Michel D'Hooghe, que anunciou que pedirá ao Comitê Executivo que a presença do equipamento seja obrigatório em todos os campos.
Depois das mortes de jogadores como Marc-Vivien Foé, da seleção de Camarões, na disputa da Copa das Confederações de 2001, aumentaram os controles médicos no esporte, a ponto dos especialistas apontarem que os 84 casos de morte súbita não serem alarmantes diante da população que pratica o futebol. Contudo, segundo os dados, os números servem de alerta, não só para esportistas, mas como para toda a população, que estão morrendo por não conhecer as doenças que os afetam.
Marc-Vivien Foe jogador de Camarões (Foto: Getty Images)Marc-Vivien Foé morreu em campo durante a Copa das Confederações de 2001 (Foto: Getty Images)


Por GLOBOESPORTE.COM e agência de notíciasBudapeste


segunda-feira, 2 de abril de 2012

Para conhecerem um pouco da LAMEXE-ESCS:



Lembrando que as inscrições já estão abertas para o processo seletivo e a prova escrita será aplicada no dia 11 de Abril de 2012, às 19h00min, em uma das salas utilizadas no Eixo de Habilidades e Atitudes. O conteúdo das questões será Bioenergética, fisiologia muscular, fisiologia óssea, cinesiologia, nutrição, doping e avaliação pré-participativa (temas encontrados no livro: "Medicina do Esporte - UNIFESP" que está disponível na copiadora 2 candangos no Rádio Center).

A Liga Acadêmica de Medicina do Exercício e do Esporte (LAMEXE) foi fundada em 6 de Abril de 2011(dia mundial do exercício) por acadêmicos e docentes do curso de medicina da Escola Superior de Ciências da Saúde do Distrito Federal. Um grupo engajado e interessado em um projeto inovador de extensão de curso.

Quem somos:
A LAMEXE – ESCS é a liga pioneira nos estudos de medicina do exercício e do esporte em Brasília-DF. Uma associação, sem fins lucrativos, composta por acadêmicos de medicina e coordenada por dois docentes* da ESCS, especialistas em medicina do exercício e do esporte e membros da Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte.

Coordenadores:

*Dr. Aloísio Fernandes Bonavides Júnior
- Residência em Ortopedia e Traumatologia no Hospital SARAH – Brasília-DF
- Especialização em Cirurgia do Joelho no Instituto de Ortopedia e Traumatologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo – IOT-HC-FMUSP
- Fellow em Cirurgia Reconstrutiva do Joelho no Insall-Scott-Kelly Institute – Beth Israel Medical Center – Yeshiva University – Albert Eistein College of Medicine – Nova Iorque – Estados Unidos
- Membro Titular da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia – SBOT
- Membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia do Joelho - SBCJ
- Membro Titular da Sociedade Brasileira de Artroscopia – SBA
- Atual preceptor da Residência Médica da Unidade de Ortopedia e Traumatologia do Hospital Regional de Taguatinga
- Doutorado (PhD) em Ortopedia pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo – USP
- Professor do Curso de Medicina da Escola Superior de Ciências e Saúde da Secretaria do Estado de Saúde do Distrito Federal - ESCS-SES-DF
- Especialista em Medicina do Esporte e Membro Titular da Sociedade Brasileira de Medicina do Exercicio e do Esporte - SBME

*Dr. Getúlio Bernardo Morato Filho

- Especialização em Pediatria pelo Hospital Regional de Taguatinga - FEPECS.
- Especialização em Medicina do Adolescente (Hebiatria) pelo Hospital Universitário de Brasília (HUB).
- Especialização em Medicina Esportiva pelo CEMAFE - Universidade Federal de São Paulo
- Título de Especialista em Medicina do Exercício e do Esporte pela Associação Médica Brasileira – AMB
- Médico do Centro de Medicina Preventiva e Esportiva (CEMPRE)
- Professor do Curso de Medicina da Escola Superior de Ciências da Saúde – FEPECS
- Coordenador da Liga de Medicina do Exercício e do Esporte (LAMEXE) da Escola Superior de Ciências da Saúde


Realizações de 2011:
-Solenidade de Abertura da Liga com palestra do Dr. André Pedrinelli (médico da Seleção Brasileira de Futsal)
-Meia Maratona internacional de Brasília – 1º atendimento, orientação ao atleta e busca de dados para elaboração de projetos científicos
-Caravanas do esporte da Secretaria de Esportes do DF – 1º atendimento e orientação ao atleta
-Ação Global – Seleção de novos talentos esportivos com aplicação de testes metodologicamente validados
-Discussão semanal, em formato de tutoria, de temas em Medicina do Exercício e do Esporte e Ortopedia.

Oportunidades na Liga:
-Estágio no Brasiliense Futebol Clube
-Estágio no departamento de Medicina do Exercício e do Esporte da FM-USP
-Acompanhamento de cirurgias ortopédicas
-Acompanhamento de consultas e atendimentos na área
-Eletiva
-Elaboração e publicação de projetos científicos

Alguns temas teóricos que são discutidos:

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO

- FISIOLOGIA MUSCULOTENDÍNEA E MOVIMENTO

- FISIOLOGIA DA ATIVIDADE FÍSICA - BIOENERGÉTICA

- FISIOLOGIA DA ATIVIDADE FÍSICA - AJUSTES RESPIRATÓRIOS AO EXERCÍCIO DINÂMICO

- AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO CORPORAL

- NUTRIÇÃO E ATIVIDADE FÍSICA

- PRESCRIÇÃO GERAL DO EXERCÍCIO FÍSICO

- A MULHER ATLETA

- EXERCÍCIOS NA TERCEIRA IDADE

- EXERCÍCIOS NA GRAVIDEZ

- DOPING NO ESPORTE

- PRIMEIROS SOCORROS NO ESPORTE

- MORTE SÚBITA EM ATLETAS

- TRAUMATISMO CRANIOENCEFÁLICO

- TRAUMATOLOGIA DESPORTIVA

- O JOELHO NO ESPORTE

- LESÕES NO TORNOZELO E PÉ

- LESÕES MUSCULARES

- LESÕES NO OMBRO E COTOVELO

- LESÕES DA COLUNA VERTEBRAL

- REABILITAÇÃO ESPORTIVA

- CONCUSSÃO CEREBRAL

- DIAGNÓSTICO POR IMAGEM

- RADIOGRAFIA CONVENCIONAL

- TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA

- ULTRASSONOGRAFIA

- RESSONÂNCIA NUCLEAR MAGNÉTICA


sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Efluxo do cálcio retirado da matriz óssea após estiramento estimula a atividade dos osteoblastos

Baixe o Artigo da Revista "BONE"

Fatores de Impacto das Revistas de Medicina Esportiva de 2011

http://www.sportsci.org/2011/wghif.htm


Sports Medicine has resumed its former status in our disciplines as the journal with the highest impact factor (5.1). Journal of the International Society of Sports Nutrition made the most spectacular entry/gain (up from an unofficial 0.5 last year to 2.7). Other gains in excess of 70% from last year were achieved by Clinics in Sports Medicine (now 2.4),International Journal of Sport Nutrition and Exercise Metabolism (2.2), and Journal of Leisure Research (1.5). Noteworthy journals making gains of 30-70% were British Journal of Sports Medicine (3.5), Journal of Science and Medicine in Sport (2.5), and International Journal of Sports Medicine (2.4). High flyers making smaller gains were Medicine and Science in Sports and Exercise (4.1), Exercise and Sport Sciences Reviews (3.8), and Scandinavian Journal of Medicine and Science in Sports (2.8). Noteworthy small improvements were made byJournal of Applied Physiology (4.2), Journal of Sports Sciences (1.9), and Journal of Strength and Conditioning Research (1.8), while there were negligible changes for the two relevant series of American Journal of Physiology (4.7, 3.9), American Journal of Sports Medicine (3.8),Journal of Sport and Exercise Psychology (2.8), and Journal of Biomechanics (2.5). Notable falls of more than 10% were recorded byJournal of Athletic Training (2.0), The Sport Psychologist (1.1), and Journal of Sports Science and Medicine (<1.0). International Journal of Sports Physiology and Performance was inexplicably omitted from the official report but has a respectable unofficial factor (1.2). A scheme to make impact factors obsolete by publishing research that conforms with peer-approved proposals seems unlikely to get started

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Exercício físico pode aprimorar performance acadêmica


373612 pele atividade fisica Exercício físico pode aprimorar performance acadêmica
Imagem: (Foto Divulgação)
Crianças e adolescentes que se exercitam podem proporcionar uma melhor performance acadêmica, de acordo com uma pesquisa divulgada no Archives of Pediatrics & Adolescent Medicine. Segundo o estudo, os exercícios e a performance escolar possuem uma associação positiva e, podem favorecer o jovem.
Na revisão metódica de 14 estudos, os pesquisadores do Centro Médico da Universidade de Vrije, na Holanda, buscaram estudar se as coações para altas notas acadêmicas estariam levando a uma menor carga horária de exercícios físicos. A dimensão das amostras varia de 53 para aproximadamente 12.000 voluntários, dependendo da pesquisa. Todos os jovens tinha entre seis e 18 anos, e o acompanhamento variou de oito semanas para cerca de cinco anos.
“De acordo com as melhores evidências encontradas, descobrimos uma importante relação positiva e significativa entre a atividade física e a performance acadêmica. Os estudos sugerem que ser mais ativo fisicamente leva a uma melhora da performance acadêmica nas crianças”, dizem os autores.
O benefício ocorreria porque a atividade física pode ajudar a aquisição de uma boa performance acadêmica, visto que, eleva o fluxo de oxigênio e sangue para o cérebro, os níveis de noradrenalina e endorfinas, e os fatores de desenvolvimento que ajudam a criar novas células nervosas que são apoio à plasticidade das sinapses dessas células.
“O problema é que relativamente poucos estudos de alta qualidade metodológica exploraram a relação entre a atividade física e a performance acadêmica”, disseram os autores. Nenhuma pesquisa na revisão metódica deles empregou medidas práticas de atividade física. “É preciso que se façam mais estudos de alta qualidade sobre essa relação e sobre os mecanismos que a explicam, usando instrumentos de medida confiáveis e válidos para avaliar com precisão.”

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

GUIA PRÁTICO DE EXERCÍCIOS RESISTIDOS PARA IDOSOS

QUANTO MAIS ENVELHECEM, MAIS OS IDOSOS NECESSITAM DOS BENEFÍCIOS DO EXERCÍCIOSRESISTIDOS. OS OBJETIVOS DO TREINAMENTO DE FORÇA INCLUEM A MANUTENÇÃO E GANHOS DA MASSA MAGRA, DA FORÇA E MELHORA DA DENSIDADE MINERAL ÓSSEA E POSTURA.

O TREINAMENTO DE FORÇA EM IDOSOS (ACIMA DOS 60 ANOS) AUMENTA A FORÇA MUSCULAR, ATRAVÉS DO APRIMORAMENTO NO PADRÃO DE RECRUTAMENTO DAS UNIDADES MOTORAS.

EM RELAÇÃO AO AUMENTO DA MASSA MUSCULAR, RESULTADOS SATISFATÓRIOS FORAM ENCONTRADOS EM INTENSIDADES ENTRE 60-85% DA FORMA VOLUNTÁRIA DOS INDIVÍDUOS ANALISADOS. JÁ, PARA O DESENVOLVIMENTO DA TAXA DE DESENVOLVIMENTO DE FORÇA, TREINOS COM INTENSIDADES ACIMA DE 85% SÃO DESEJÁVEIS.

ASSIM COMO EM INDIVÍDUOS JOVENS, A FREQUENCIA SEMANAL IDEAL DE TREINO PARA OS IDOSOS, GIRA EM TORNO DE 3-4 VEZES DURANTE A SEMANA PARA SE ATINGIR OS MELHORES RESULTADOS. PORÉM IDOSOS COM BAIXA CAPACIDADE FUNCIONAL PODEM ATINGIR BONS RESULTADOS COM 2 TREINOS SEMANAIS DESDE QUE ESTIMULEM OS MESMOS GRUPAMENTOS MUSCULARES. EM TODAS ESSAS SITUAÇÕES SUPRACITADAS, OS EFEITOS COLATERAIS SÃO RAROS.

NA TABELA ABAIXO, PODEMOS ENCONTRAR UM RESUMO PRÁTICO DE EXERCÍCIOS RESISTIDOS PARA IDOSOS

….TABELA 1. RESUMO PRÁTICO DA PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIOS RESISTIDOS PARA IDOSOS

OBJETIVOS

POSSÍVEIS EFEITOS DO TREINAMENTO

INDICAÇÃO

SUGESTÃO DE LOCAL PARA O TRABALHO

AUMENTO NA FORÇA MUSCULAR

AUMENTOS NA MASSA MUSCULAR

3X 8–12 REPETIÇÕES POR GRUPAMENTO MUSCULAR A 70-85% DE 1 REPETIÇÃO MÁXIMA / 2 A 3 SESSÕES DE TREINO SEMANAIS POR, PELO MENOS, 8-12 SEMANAS

ESTÚDIO, ACADEMIAS E ACADEMIAS DE CONDOMÍNIO

COORDENAÇÃO INTERMUSCULAR

3-5 X 8 OU + REPETIÇÕES POR GRUPAMENTO MUSCULAR COM INTENSIDADES ACIMA DE 80% DE 1RM /3 SESSÕES DE TREINO POR SEMANA

ACADEMIAS

COORDENAÇÃO INTRAMUSCULAR

ALTO VOLUME DE REPETIÇÕES / TREINOS DIÁRIOS / ALTA VELOCIDADE / DE MOVIMENTOS / SUPEFÍCIES INSTÁVEIS, ENTRE OUTROS

ESTÚDIO, ACADEMIAS E ACADEMIAS DE CONDOMÍNIO

REDUÇÃO DE SARCOPENIA

AUMENTO NA MASSA MAGRA

3X 8-12 REPETIÇÕES ENTRE 60-80% DE 1 RM / 3 SESSÕES DE TREINO POR SEMANA POR, PELO MENOS 8-12 SEMANAS

ESTÚDIO, ACADEMIAS E ACADEMIAS DE CONDOMÍNIO

ADAPTAÇÃO DE TENDÃO E OSSSOS

AUMENTOS NA SÍNTESE DE COLÁGENO , REDUÇÃO NA PERDA ÓSSEA

ENTRE 60-80% DE 1RM / TREINO DIÁRIO / DURAÇÃO DE SEMANAS A VÁRIOS MESES

ESTÚDIO, ACADEMIAS E ACADEMIAS DE CONDOMÍNIO

PREVENÇÃO DE QUEDAS E LESÕES

OTIMIZAÇÃO DO CONTROLE POSTURAL

ALTO VOLUME DE REPETIÇÕES / ALTA VELOCIDADE DE EXECUÇÃO / TREINOS DIÁRIOS

ESTÚDIO, ACADEMIAS E ACADEMIAS DE CONDOMÍNIO

COORDENAÇÃO INTRAMUSCULAR

3-5 SÉRIES ACIMA DE 8 REPETIÇÕES COM CARGAS ELEVADAS (ACIMA DE 80%DE 1RM) / TREINOS DIÁRIOS

ESTÚDIO, ACADEMIAS E ACADEMIAS DE CONDOMÍNIO

Fonte: http://www.alexandrelevangelista.com.br/2011/10/15/guia-pratico-de-exercicios-resistidos-para-idosos/

INFORMAÇÕES RETIRADAS DO ARTIGO:

MAYER F. et al. The Intensity and Effects of Strength Training in the Elderly. Dtsch Arztebl Int 2011; 108(21): 359–64.

sábado, 3 de setembro de 2011

Participação de Crianças e Adolescentes no Boxe


Policy Statement—Boxing Participation by Children and Adolescents

  1. AMERICAN ACADEMY OF PEDIATRICS
  2. COUNCIL ON SPORTS MEDICINE AND FITNESS
  3. CANADIAN PAEDIATRIC SOCIETY
  4. HEALTHY ACTIVE LIVING AND SPORTS MEDICINE COMMITTEE

ABSTRACT

Thousands of boys and girls younger than 19 years participate in boxing in North America. Although boxing provides benefits for participants, including exercise, self-discipline, and self-confidence, the sport of boxing encourages and rewards deliberate blows to the head and face. Participants in boxing are at risk of head, face, and neck injuries, including chronic and even fatal neurologic injuries. Concussions are one of the most common injuries that occur with boxing. Because of the risk of head and facial injuries, the American Academy of Pediatrics and the Canadian Paediatric Society oppose boxing as a sport for children and adolescents. These organizations recommend that physicians vigorously oppose boxing in youth and encourage patients to participate in alternative sports in which intentional head blows are not central to the sport.

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Vamos usar as escadas ?


Exercícios e câimbras



Quase todos nós já nos deparamos com câimbras em algum momento de sua vida. Elas atingem pessoas de todos os níveis de atividades físicas e podem aparecer em situações totalmente
diversas, sem nenhum sinal de aviso. Em meio a uma atividade física intensa, de repente, seu músculo começa a se contrair involuntariamente com uma intensidade que chega a ser dolorosa! Outras vezes as câimbras podem surgir de maneira inexplicável, você fica parado, relaxado, em uma determinada posição e seu músculo simplesmente “trava”! Apesar de serem extremamente comuns, as câimbras musculares são um fenômeno altamente mal compreendido.


As câimbras são contrações musculares involuntárias intensas, caracterizada pela ativação de uma grande quantidade de unidades motoras com uma alta freqüência de disparos (Miller & Layzer, 2005). As evidências disponíveis sugerem que as câimbras, têm origem periférica e surgem descargas dos neurônios motores e não do músculo em sí (Miller & Layzer, 2005). A partir da literatura disponível e da observação dos casos concretos, pode-se se dividir as câimbras associadas ao exercício em duas categorias distintas. A primeira é relacionada ao excesso de trabalho e surge em situações de fadiga ou sobrecarga intensa. Na segunda, há um desequilíbrio de líquidos e eletrólitos, de modo que a transpiração elevada aliada à deficiência de eletrólitos pode levar às câimbras, mesmo na ausência de contrações musculares intensas ou de fadiga (Bergeron, 2008).


Segundo a teoria associada à fadiga, a atividade física de alta intensidade e/ou alta duração levaria a alterações no estado excitatório da fibra, com aumento da ativação do fuso muscular (estrutura que estimula as contrações) e inibição do órgão tendinoso de Golgi (responsável por impedir que as ações muito intensas possam provocar lesões), com aumento da atividade dos motoneurônios alfa. Desse modo, os mecanismos responsáveis por inibir contrações musculares intensas são desativados ao mesmo tempo em que os indutores da contração são ativados, gerando contrações involuntárias e de alta intensidade. Normalmente isso ocorre quando o músculo está na posição encurtada, pois nessa posição a despolarização da placa terminal está alterada e a atividade inibitória do órgão tendinoso de Golgi é reduzida (Ruff et al., 1996; Hutton et al., 1986). É importante notar que quando o músculo está em uma posição encurtada, é possível verificar a ocorrência de câimbras mesmo quando não há atividade muscular (Miller & Layzer, 2005).


Nas câimbras induzidas pelo desequilíbrio hidroeletrolítico normalmente há um quadro de sudorese acentuada, com perda considerável de água e eletrólitos, especialmente sódio e cloreto. Apesar de a magnitude associada à câimbra ainda não ser definida, se estima que uma perda de 20-30% do sódio cambiável pode levar a câimbras severas (Bergeron, 2008). Outros eletrólitos, como potássio, magnésio e cálcio, são perdidos me menor escala durante o exercício, no entanto, apesar de haver teóricos que atribuem as câimbras às deficiências desses minerais, os estudos mais recentes afirmam que isso não é verdade, segundo revisão de Bergeron (2008). Para compensar a perda de água e eletrólitos, há movimentação da água entre os diferentes compartimentos e, com isso, o espaço intersticial fica contraído. Como conseqüência da contração do espaço intersticial, algumas junções neuromusculares se tornam hiper excitáveis. A deformação mecânica das estruturas expõe os terminais nervosos desmilienizados e as membranas pós-sinápticas a níveis elevados de substâncias excitatórias (acetilcolina, eletrólitos, metabólitos…). Conforme mais água se move do espaço intersticial para o espaço intravascular, os terminais nervosos e membranas pós-sinapticas adjacentes também são afetadas, fazendo com que as câimbras se espalhem por diversos músculos. Um primeiro sinal dessas câimbras são as pequenas contrações musculares visíveis através da pele, que não chegam a ser perceptíveis quando se está em atividade. Elas podem ser um sinal de que espasmos mais intensos serão iniciados dentro de 20-30 minutos.


Uma diferença nítida entre os dois tipos é que as câimbras geradas pela sobrecarga ou fadiga são localizadas, e se restringem ao músculo exercitado. Essas câimbras normalmente são resolvidas com alongamento, massagem, ação do antagonista, resfriamento da musculatura, etc. Já as câimbras causadas pelo desequilíbrio hidroeletrolítico se propagam para as fibras adjacentes, essas caimbras podem ser evitadas por meio da hidratação correta, com reposição de eletrólitos. Após a ocorrência das câimbras, alongamentos, massagens e aplicação de gelo podem aliviar os sintomas até que os eletrólitos ingeridos cheguem aos devidos locais.


Paulo Gentil03/09/2010

Referências
Bergeron MF. Muscle cramps during exercise V is it fatigue or electrolyte deficit? Curr Sports Med 2008 Apr;7(4): S50:S55.
Hutton RS, Nelson DL. Stretch sensitivity of Golgi tendon organs in fatigued gastrocnemius muscle. Med Sci Sports Exerc. 1986 Feb;18(1):69-74.
Miller TM, Layzer RB. Muscle cramps. Muscle Nerve. 2005 Oct;32(4):431-42.
Ruff RL.Effects of length changes on Na+ current amplitude and excitability near and far from the end-plate.
Muscle Nerve. 1996 Sep;19(9):1084-92.

sábado, 27 de agosto de 2011

34º SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS DO ESPORTE

http://www.simposiocelafiscs.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=4&Itemid=3


QUINTA-FEIRA - 6 DE OUTUBRO, 2011
9:00 - 12:00REUNIÃO REDE INTERNACIONAL AGITA MUNDOAGITA BRASIL
9:00 - 12:00CURSO 1 - FISIOLOGIA DO EXERCÍCIOAGITA BRASIL
Diferenças Sexuais no Metabolismo do ExercícioMark Tarnopolsky
9:00 - 12:00CURSO 2 - ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDEAGITA SÃO PAULO
Pesquisa em Atividade Física no Brasil: Análise CríticaPedro Hallal
13:00 - 16:00TEMAS LIVRESAGITA SÃO PAULO
13:00 - 16:00CURSO 3 - TREINAMENTO DA FORÇA MUSCULARAGITA MUNDO
Uso da Periodização Reversa e Não Linear no TreinamentoSteven Fleck
13:00 - 16:00CURSO 4 - ENVELHECIMENTO E ATIVIDADE FÍSICAAGITA BRASIL
Análise Biomecânica do Movimento e Avaliações Funcionais das Atividades DiáriasLuiz Mochizuki
16:10 - 17:45TEMAS LIVRESAGITA SÃO PAULO
16:10 - 17:45FÓRUM - EVIDÊNCIAS NA REABILITAÇÃO CARDÍACAAGITA MUNDO
Adesão aos Programas de Reabilitação Cardíaca
Quando Adotar o Excercício Intenso na Reabilitação Cardíaca e Metabólica
A Ergoespirometria na Reabilitação Cardíaca
Felix Albuquerque Drummond
Tales de Carvalho
Marcelo Leitão
16:10 - 17:45MESA REDONDA - ESPECULAÇÕES E EVIDÊNCIAS NO ESPORTEAGITA BRASIL
Preparação para os Jogos Olímpicos de 2016
A Identidade do Atleta Olímpico
Aspectos Psicológicas na Arbitragem Esportiva
Carlos Arthir Nuzman
Katia Rúbio
Maria Regina Ferreira Brandão
18:00CONFERÊNCIA DE ABERTURA

Evidência ou Especulação? O Custo - Efetividade das Intervenção de Atividade Física na EmpresaWillen Van Mechelen


SEXTA-FEIRA - 7 DE OUTUBRO, 2011
8:00 - 9:30CURSO 1 - FISIOLOGIA DO EXERCÍCIOAGITA MUNDO
Radicais Livres e Estresse oxidativo: mecanismos de formação, respostas e adaptação ao exercícioAlvaro Reischak
8:00 - 9:30CURSO 2 - ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDEAGITA BRASIL
Uso do Compêndio da Atividade Física na Medida do Custo Energético da Atividade Física Barbara Ainsworth
8:00 - 9:30TEMAS LIVRESAGITA SÃO PAULO
9:40 - 10:45CONFERÊNCIA

Exercício Física como Tratamento das Doenças CardiovascularesCarlos Eduardo Negrão



10:30 - 12:30FÓRUM - EVIDÊNCIAS E ESPECULAÇÕES EM FISIOLOGIA DO EXERCÍCIOAGITA MUNDO
Mecanismos de Atrofia e Função Muscular e Impacto do Treino
Evidências e Especulação entre Lactato e a Fadiga
Trajes de Compressão: Efeitos no Desempenho e Recuperação Neuromuscular
Patrícia Chakur Brum
Denise Vaz Macedo
Martim Bottaro
11:00 - 12:30MESA REDONDA - ESPECULAÇÕES E EVIDÊNCIAS NA MEDICINA DO ESPORTEAGITA BRASIL

Prevenções de Lesões Esportivas no Joelho
Lesões por Sobrecarga no Esporte em Crianças
Prevenção das Lesões no Tornozelo nos Esportes
Arnaldo Hernandez
Moises Cohen
Willen Van Mechelen
11:00 - 12:30TEMAS LIVRESAGITA SÃO PAULO
INTERVALO
13:30 - 15:00CURSO 3 - TREINAMENTO DA FORÇA MUSCULARAGITA MUNDO
Métodos de Treinamento da Força MuscularMartim Bottaro
13:30 - 15:00CURSO 4 - ENVELHECIMENTO E ATIVIDADE FÍSICAAGITA BRASIL

Sarcopenia e Dinapenia - Implicações na Prescrição do ExercícioMaurício dos Santos
13:30 - 15:00REUNIÃO DA REDE INTERNACIONAL AGITA MUNDOAGITA SÃO PAULO
15:00 - 16:20CONFERÊNCIA AGITA MUNDO
Os Benefícios Cardiovasculares Reais do Treinamento de Força MuscularSteven Fleck
16:30 - 18:00MESA REDONDA - EVIDÊNCIAS E ESPECULAÇÕES NA NUTRIÇÃO ESPORTIVAAGITA MUNDO

Leucina e Atividade Física
Estresse Oxidativo e Atividade Física
Suplementação de CHO para Atividades Intermitentes
Julio Tirapegui
Vinicius Fernandes Cruzal
Marcelo Saldanha Aoki
16:30 - 18:00FÓRUM - EVIDÊNCIAS E ESPECULAÇÕES NA ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDEAGITA BRASIL
Hipertensão Arterial e Atividade Física Sexual - Mitos e Fatos
Atletas de Fim de Semana - Evidências e Especulações
Falar, Publicar ou Intervir em Promoção de Atividade Física para a Saúde
Tales de Carvalho
Marcelo Leitão
Victor Matsudo
16:30 - 18:00TEMAS LIVRES

SÁBADO - 8 DE OUTUBRO, 2011
8:00 - 9:30CURSO 1 - FISIOLOGIA DO EXERCÍCIOAGITA MUNDO
Respostas Fisiológicas na Máxima Fase Estável de Lactato em Exercício Contínuo e IntermitenteLuiz Guilherme Guglielmo
8:00 - 9:30CURSO 2 - ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDEAGITA BRASIL
Efetividade das Intervenções de Atividade Física nas EscolasWillen Van Mechelen
8:30 - 10:00TEMAS LIVRES AGITA SÃO PAULO
9:40 - 10:50CONFERÊNCIAAGITA MUNDO
Exercício e Doença MitocondrialMark Tarnopolski
11:00 - 12:30FÓRUM - TÓPICOS ESPECIAIS NA AVALIAÇÃO NO EXERCÍCIO E NO ESPORTEAGITA MUNDO
Avaliação Aeróbica e Anaeróbica em Modalidades Intermitentes: Protocolos de Campo x Laboratoriais
Avaliação Fisiológica no Futebol Profissional
Avaliação na Prescrição do Exercício e Treinamento ao Paraolimpismo
Luiz Guilherme Guglielmo
Claudio Pavanelli
Marco Tulio de Mello
11:00 - 12:30MESA REDONDA - EVIDÊNCIAS E ESPECULAÇÕES DA ATIVIDADE FÍSICA NAS DOENÇAS CRÔNICASSALAS AGITA

Papel da Vida Ativa na Predisposição Genética do Diabetes e Hipertensão Arterial
Respostas e Adaptações do Sistema Endotelial Vascular ao Exercício
Asma, Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica e Atividade Física
Katia de Angelis
Alvaro Reischak
Milton Arruda Martins
12:30 - 13:00APRESENTAÇÃO ESTÁGIO CELAFISCS - 2012AGITA AMÉRICA
12:30 - 13:00CINE PIPOCA
AGITA SÃO PAULO

INTERVALO
13:30 - 15:00FÓRUM ESPECIAL - EVIDÊNCIAS E ESPECULAÇÕES DO TREINAMENTO DE FORÇA MUSCULARAGITA MUNDO

Ganhos de Flexibilidade com o Treinamento de Força
O Papel da Ações Exêntricas nos Ganhos de Força e Hipertrofia
Do You Need to Carry Sets to Failure for Optimal Strength Training?
Roberto Simão
Valmor Tricoli
Steven Fleck
13:30 - 15:00TEMAS LIVRESAGITA BRASIL
13:30 - 15:00TEMAS LIVRESAGITA SÃO PAULO
15:10 - 16:40CURSO 3 - TREINAMENTO DE FORÇA MUSCULARAGITA MUNDO
Efeito da Manipulação das Variáveis do Treinamento de Força nos Ganhos de Força e Hipertrofia MuscularRoberto Simão
15:10 - 16:40CURSO 4 - ENVELHECIMENTO E ATIVIDADE FÍSICAAGITA BRASIL
Exercício e Combate a SarcopeniaMark Tarnopolski
16:45 - 18:00CONFERÊNCIA DE ENCERRAMENTOBarbara Ainsworth
Atividade Física, Fitness e Envelhecimento Saudável